HOME


FEBRE AMARELA - ORIENTAÇÃO DA INFECTOLOGISTA, PATRICIA BONAZZI

por Assessoria de Comunicação FMJ - Jornalista Responsável - Claudia Mello - MTB – 28.835 em 01/02/2017 14:17:44
 

Esclarecimento feito pela Infectologista da Faculdade de Medicina de Jundiaí, Patrícia Rodrigues Bonazzi.

Doença infecciosa, não contagiosa, causada por um Arbovírus (vírus transmitido por mosquito) da família Flaviviridae.

Existem 2 tipos de febre amarela: a silvestre e a urbana. A silvestre ocorre em áreas de mata e é transmitida pela picada do mosquito Haemagogus aos macacos ou ao homem. A forma urbana é transmitida pela picada do mosquito Aedes Aegypti, o mesmo que transmite Dengue, Chikungunya e Zika.

Os sinais e sintomas são os mesmos, independentemente do ciclo da doença (silvestre ou urbana). Em geral, eles surgem em 5 a 6 dias após a picada do mosquito. Na maior parte dos casos (90%) a doença é assintomática ou se manifesta em formas leves, com sintomas inespecíficos: febre, dores pelo corpo, mal-estar, com duração de poucos dias.

Os casos mais graves podem apresentar, além dos sintomas referidos, sangramentos e sinais de insuficiência hepática e renal: sangramento nasal, intestinal, olhos amarelos (icterícia), redução da diurese. Estes pacientes tem elevado risco de óbito.

Não existe tratamento específico para o vírus. Os pacientes graves devem ser rigorosamente acompanhados e monitorizados para evitar as complicações.

Segundo a médica, uma recomendação importante é não utilizar anti-inflamatório ou ácido acetilsalicílico, popularmente conhecido como AS. Sobre a prevenção, ela enfatiza: “Desta forma, a vacinação é considerada a melhor medida de prevenção da doença. Além disso, use repelentes e evite viagens para áreas com casos da doença”.

 

A vacina está indicada para as pessoas que estão em áreas ondem foram confirmados casos da Febre Amarela ou para quem irá viajar para as áreas de risco. Nestes casos, a vacina deve ser administrada 10 dias antes do deslocamento. A vacina contra febre amarela tem contraindicações.

 
 
Documento sem título
Copyright © 2017 - Faculdade de Medicina de Jundiaí - Todos os Direitos Reservados