HOME

 


PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU
Especializações


MEDICINA DO TRABALHO

 

APRESENTAÇÃO

Trata-se de um curso teórico-prático, associado à aquisição de elementos metodológicos para a capacitação como médico do trabalho ao final de dois anos de estudos. As atividades práticas, sob supervisão, correspondem a 70% da grade do programa de formação do médico e são realizadas em serviços representativos das diversas dimensões existentes nas atividades profissionais típicas da especialidade em questão. Elas ocorrem sob a forma de estágios, atividades ambulatoriais, inspeções em ambientes de trabalho e visitas de reconhecimento, intercaladas ou simultâneas às atividades teóricas. A estratégia pedagógica parte da reflexão sobre problemas da realidade, utilização do instrumental teórico para a compreensão dos determinantes e condicionantes dos mesmos para análise e formulação de propostas de soluções que objetivem a melhoria da saúde do trabalhador.

Objetivo: O programa de Especialização em Medicina do Trabalho tem como objetivo capacitar o médico ao exercício da especialidade como prática técnica e social, investido de uma visão coletiva e solidária de saúde, pautada em valores éticos na atenção à saúde do trabalhador.

Carga horária total: A carga horária do curso será de 1.920 horas (em 02 anos), sendo: 70% de atividades práticas e 30% de atividades teóricas.

Público alvo: Médicos

Matrícula: Para matricular-se, o candidato deverá estar inscrito no Conselho Regional de Medicina no Estado que está executando suas atividades profissionais.

Número de vagas oferecidas: Quarenta (40) vagas.

Inicio: Setembro de 2017.

Aula: As aulas serão ministradas aproximadamente a cada 15 dias, toda sexta-feira e sábado. Esporadicamente em algumas quintas-feiras.

Horário das aulas: Sextas –feiras das 17h às 22h e Sábados das 8h às 17h

Duração: 2 anos

Investimento: R$ 1.200,00 mensal

Telefone para contato e matrícula ( de segunda a sexta das 8h às 16h): (19) 99887-6186 (11) 98065-4514

Site: https://especializacaofmj.wixsite.com/medicinadotrabalho


EQUIPE TÉCNICA

Coordenador:

Prof. Me. Marcos Nascimento e Silva
Professor Assistente do Departamento de Saúde Coletiva, da Faculdade de Medicina de Jundiaí, responsável pela Disciplina de Medicina do Trabalho
Mestre em Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina de Jundiaí
Especialista em Medicina do Trabalho e de Tráfego

Professores:

Prof. Me. Marcos Nascimento e Silva
Professor Assistente do Departamento de Saúde Coletiva, da Faculdade de Medicina de Jundiaí, responsável pela Disciplina de Medicina do Trabalho
Mestre em Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ)
http://lattes.cnpq.br/9200044460027086

Prof. Dr. Ericson Bagatin
Professor Livre Docente da Área de Saúde do Trabalhador/DMPS/FCM - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Professor Adjunto da Disciplina de Pneumologia da Faculdade de Medicina de Jundiaí
Doutor em Medicina na área de Saude Coletiva, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
http://lattes.cnpq.br/7312537755473106


Profa. Dra. Lourdes Dias
Doutora pelo Departamento de Farmacologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
http://lattes.cnpq.br/0402041832275161

Profa. Ma. Karla Fabiana Begosso Sampaio da Fonseca Carbonari
Professora Colaboradora na Faculdade de Medicina de Jundiaí
Diretora Científica do Departamento de Psicologia da SOCESP
Mestre em Medicina Preventiva e Social pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
http://lattes.cnpq.br/2510327762167403

Prof. Dr. Juliano de Alencar Vasconcelos
Doutor pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
http://lattes.cnpq.br/5330850354522573

Prof. Dr. Gilberto Luppi dos Anjos
Professor Adjunto do Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ)
Doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP)
http://lattes.cnpq.br/1419110947852073

Prof. Me. Jair Felicio
Fundador da Associação Brasileira de Higienistas Ocupacionais (ABHO) e da Associação Paulista de Engenheiros de Segurança do Trabalho (APAEST)
Mestre em Engenharia pela Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Arthur Pereira Nigro
Grupo Nigro Serviços Médicos
Especialista em Medicina do Trabalho

Prof. Fabricio Egidio Pandini
Professor Colaborador da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Jundiaí
Especialista pela Associação Médica Brasileira em Otorrinolaringologia
http://lattes.cnpq.br/1080660734132090

Profa. Dra. Evelin Moreno dos Santos
Professora do curso de pós-graduação em Ergonomia da Universidade Estácio de Sá
Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
http://lattes.cnpq.br/9910680349354982

Profa. Me. Célia Antônia Xavier de Moraes Alves
Professora Assistente do Departamento de Dermatologia, da Faculdade de Medicina de Jundiaí
Mestre em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
http://lattes.cnpq.br/3112734983609992

Prof. Me. Marco Antônio Dias
Professor Assistente do Departamento de Clinica Medica, da Faculdade de Medicina de Jundiaí
Mestre em Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina de Jundiaí
http://lattes.cnpq.br/9212013934498726

Profa. Dra. Clarissa Vasconcellos de Souza
Revisora da Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia
Doutora em Clinica Medica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
http://lattes.cnpq.br/6848074448711006

Prof. Dr. Fernando Leme do Prado
Professor do programa de Pós-Graduação/Mestrado Stricto Senso da Faculdade de Medicina de Jundiaí
Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
http://lattes.cnpq.br/3140311191150053

Prof. Dr. Luiz Philippe Westin Cabral de Vasconcellos
Professor Adjunto na Disciplina de Ortopedia da Faculdade de Medicina de Jundiaí
Doutor em Ortopedia e Traumatologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
http://lattes.cnpq.br/7785785598984965


AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

No decorrer e ao final do Curso, o aluno será avaliado através do conjunto das avaliações específicas das atividades, somado à análise do desempenho, compromisso, frequência, pontualidade e postura ética nas relações com docente, colegas, trabalhadores de saúde dos campos de estágio, a cada semestre.
Avaliações processuais serão também realizadas sistematicamente pelo conjunto do corpo docente e discente, no sentido de identificar os aspectos do Curso que necessitam de reorientação.
Em conjunto, as modalidades de avaliação serão:
- Avaliação por preceptores de campo utilizando planilha padronizada que aborda conhecimentos adquiridos, habilidades, atitudes/valores.
- Supervisão compartilhada entre docentes e preceptores
- Avaliação em cada atividade teórica (disciplina), cuja modalidade é definida pelo corpo docente e explicitada em cada programa (p. ex. prova escrita, ensaio, etc.)
- Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), ao final do segundo ano do curso, com elaboração de artigo científico.

EXIGÊNCIAS PARA OBTENÇÃO DO CERTIFICADO

Farão jus ao Certificado de Conclusão do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho os alunos que tiverem um aproveitamento de, no mínimo 70% (setenta por cento) do total, inclusive no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), além da comprovação de frequência de, pelo menos, 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária prevista.

PROGRAMA DO CURSO

O curso de Especialização em Medicina do Trabalho visa adequações à realidade encontrada diariamente pelo profissional médico na área de saúde ocupacional, constituindo-se de atividades práticas e teóricas. A carga horária do curso será de 1.920 horas.

• Atividades práticas (1.344 horas – 70%) -Atividades de Medicina do Trabalho realizadas em empresas, clinicas.
• Atividades teóricas (576 horas – 30%)

Disciplinas:
1. Saúde do Trabalho e Sociedade
2. Políticas Públicas em Saúde e Trabalho
3. Segurança do Trabalho
4. Legislação do Trabalho
5. Metodologia da Pesquisa
6. Bioestatística aplicada a Saúde Ocupacional
7. Ética Médica em Saúde Ocupacional
8. Epidemiologia
9. Saúde Ambiental no Trabalho
10. Administração do Serviço Médico de Empresas
11. Qualidade de vida no trabalho
12. Higiene Ocupacional
13. Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
14. Toxicologia Ocupacional
15. Ergonomia
16. Saúde Mental no Trabalho
17. Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho
18. Doenças do Trabalho
19. Doenças do Sistema Osteomuscular
20. Dermatose ocupacional
21. Doenças cardiovasculares relacionadas ao trabalho
22. Doenças infecto parasitárias relacionadas ao trabalho
23. Distúrbios da voz e métodos de avaliação / Doenças causadas pelo ruído
24. Doenças do Aparelho Respiratório
25. Gestão em Saúde do Trabalhador
26. Benefícios Previdenciários
27. Perícias Médicas
28. Relação da Medicina do Trabalho com as demais especialidades
29. Noções de Radiologia Medica Ocupacional
30. Odontologia do Trabalho
31. Segurança e Saúde do Trabalhador Rural
32. Metodologia de Ensino

REFERÊNCIAS

1. ANTUNES, R., 1995. Fordismo, Toyotismo e Acumulação Flexível. In: Adeus ao Trabalho? São Paulo. Universidade Estadual de Campinas.

2. BECKER, H., 1999. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 4. ed. São Paulo: HUCITEC.

3. BORGES, L. H., 1999. Sociabilidade, sofrimento psíquico e lesões por esforços repetitivos em processos de trabalho repetitivos: estudo de caixas bancários. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: IPUB/ UFRJ.

4. BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado.

5. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS), 1994. Normas para Projetos Físicos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Brasília. Ministério da Saúde.

6. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS), 1995. Manual de Normas para o Controle da Tuberculose. Coordenação Nacional de Pneumologia Sanitária. Brasília.

7. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS), 1997. I Consenso Brasileiro de Tuberculose - 1997. Coordenação Nacional de Pneumologia Sanitária. Brasília, J. Pneumologia 23 (6): nov-dez.

8. BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO (MT), 1995. Portaria No 3.214 de 8 de julho
de 1978. Normas Regulamentadoras. Segurança e Medicina do Trabalho. São Paulo: Atlas.

9. BRITO, J.C. & PORTO, M.F.S., 1991. Processo de trabalho riscos e cargas à Saúde. Rio de Janeiro: CESTEH/ ENSP/ FIOCRUZ. Mimeo.

10. BRITO, J.C. de, 1999. Saúde, trabalho e modos sexuados de viver. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

11. CANGUILHEN, G., 2000. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

12. CAPONI, S., 1997. Georges Canguilhen y el estuto epistemológico del concepto de salud. História, ciências, saúde. s.l. v. 5, n. 2, p. 287 - 307

13. CARLOTO, C.M., 2000. Saúde da Trabalhadora: Doenças não reconhecidas e sofrimento. Tese de Doutorado. São Paulo: PUC- S.P

14. CODO, W. (org) & ALMEIDA, M.C.C.G. de (org), 1997. LER. Diagnóstico, tratamento e prevenção: uma abordagem interdisciplinar. 2. ed. Petrópolis: Vozes.

15. DEJOURS, C. & ABDOUCHELI, E., 1994. Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In: DEJOURS, C. Psicodinâmica do trabalho. São Paulo, Atlas, p. 119- 143.

16. FILHO, F. & SANTOS, N., 1997. Manual de análise ergonômica do trabalho. 2. ed. Curitiba: Gênesis.

17. FLEURY, A. C. e VARGAS, N., 1983. Aspectos Conceituais da Organização do trabalho. A Obra de Taylor e a Administração Científica do Trabalho e a Obra de Ford e a linha de Montagem. In: A Organização do Trabalho. São Paulo: Atlas.

18. FOUCAULT, M., 1993. O nascimento da medicina social. In: Microfísica do poder. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, p. 79-98.

19. GARBIN, A. de C. et al, 1998. Etiologia do senso comum: as lesões por esforços repetitivos na visão dos portadores. Cadernos de psicologia social do trabalho. v. 1, n. 1, p. 43-55.

20. HARVEY, D., 1994. Do Fordismo à Acumulação Flexível. In: Condição Pós Moderna. São Paulo: Loyola.

21. LAURELL, A. C. & NORIEGA, M., 1989. Processo de Produção e Saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Hucitec.

22. LAURELL, A.C. & NORIEGA, M., 1989. Para o Estudo da Saúde na sua relação com o processo de trabalho. In: Processo de Produção e Saúde. Trabalho e Desgaste Operário. São Paulo: Hucitec.

23. MACHADO, J. M. H. & GOMEZ, C. M., 1995. Acidentes de trabalho: concepções e dados. In: Os Muitos Brasis: saúde e população na década de 80 (M. C. S. Minayo, org.), pp. 117-142, São Paulo / Rio de Janeiro: Hucitec / Abrasco.

24. MENDES, R. & DIAS, E. C., 1991. Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Revista de saúde pública, São Paulo, 25 (5): 341-349.

25. MENDES, R., 1995. Patologias do Trabalho. Rio de Janeiro: Atheneu.

26. MINAYO, M. C. (org.), 1996. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

27. NORIEGA, M., 1993. Organización Laboral, Exigencias y Enfermidad. In: LAURELL, A.C. (org). Para la Investigación de la salud de los Trabajadores. Washington, Organizacion Panamericana de la Salud. Série Paltex.

28. TELLES, A. L. C., 1998. Histórico, conceitos e metodologias da ergonomia. Rio de Janeiro COOPE/UFRJ. Mimeo.


Faculdade de Medicina de Jundiaí - Copyright © 2017 - Todos os Direitos Reservados